"Violador de Telheiras" condenado a 25 anos de prisão

Henrique Sotero, conhecido como "violador de Telheiras" foi hoje condenado à pena máxima de prisão: 25 anos de prisão.
O tribunal deu como provado que Henrique Sotero cometeu 71 crimes, contra 16 vítimas, 14 raparidas e dois homens, condenando ainda o arguido ao pagamento de indemnizações entre os 20 e os 35 mil euros.

Henrique Sotero, que se encontra preso preventivamente desde março de 2010, não esteve presente na leitura do acórdão, tendo pedido escusa.

O Ministério Público tinha pedido uma "pena exemplar" e os advogados das vítimas 25 anos de cadeia. O próprio arguido confessou, em julgamento, a autoria dos crimes.

Foram-lhe imputados 71 crimes, incluindo coação sexual, rapto, violação, sequestro, ameaças, roubo e ofensas corporais. Após molestar as vítimas, apropriava-se, por vezes, de bens e dinheiro das jovens.

As vítimas tinham quase todas menos de 20 anos, tendo algumas sido ameaçadas com armas brancas.

À saída das varas criminais de Lisboa, António Rodrigues, um dos advogados das vítimas, disse que, apesar de os advogados das vítimas terem pedido a condenação de Henrique Sotero a 25 anos de cadeia, não estavam à espera que o tribunal aplicasse a pena máxima, prevista na lei.

"Todos nós pedimos a pena dos 25 anos. Não estávamos à espera, contudo acho que foi feita justiça", disse.

Segundo o advogado, esta condenação deveu-se "à quantidade de crimes, à forma como foram cometidos e à própria personalidade do arguido".

Por outro lado o advogado de Henrique Sotero, Pereira da Silva, recusou-se a comentar a decisão do tribunal, dizendo que ainda não leu o acórdão:
"São coisas sérias para serem tratadas seriamente. Vou ler o acórdão e depois agirei em conformidade. Além disso, nunca comento na praça pública a decisão do tribunal. É uma questão de princípio e deontologia", disse.